domingo, 2 de junho de 2013

Era uma vez um saco sem fundo chamado trânsito em Salvador

O cenário é a capital baiana e na história você acorda, toma um banho, faz uma boa refeição, planeja todos os compromissos do dia, checa e-mails e redes sociais até que chega a hora de sair de casa. A ordem da cena não é necessariamente esta que eu citei, mas no final da esquete sempre chega o momento de seguir rumo à escola, faculdade ou ao trabalho. Tudo como havia sido planejado no roteiro a não ser um ponto que vem tirando muita gente do sério e até comprometendo a saúde de muitos por aí. Do que eu estou falando? De trânsito engarrafado!

Segundo o Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo, um engarrafamento não só tira o motorista do sério como também pode provocar sérios problemas nos ossos, músculos e até na circulação. Ainda segundo a publicação, aqueles simples movimentos repetitivos de troca de marcha podem causar tendinite no punho e bursite no ombro. Já os movimentos de pisar no freio e na embreagem podem causar dores nos tornozelos e nas pernas. E por mais que o banco do carro seja o mais macio e confortável, ficar sentado na mesma posição por longos períodos pode gerar problemas circulatórios e até lesões na lombar. A coisa só piora...

Eu mesmo acredito que a tendência é sempre piorar quando se trata de trânsito. Não tem túnel, viaduto, passarela, faixa exclusiva ou metrô que resolvam o problema. Enfrento longos congestionamentos todos os dias e tenho observado que não há mais hora do rush. Se saio de casa às 7h vou enfrentar o mesmo trânsito carregado das 10h. Voltar pra casa às 19h ou às 21h também já não faz mais tanta diferença. E eu não estou falando só de segunda a sexta, não! Quando trabalho aos sábados e volto pra casa por volta do meio dia, também acabo encontrando alguma retenção no meio do caminho.

Seja de ônibus, carro ou moto o quadro não muda. A diferença é que o problema não chega a ser tão grave para os motociclistas, que na maioria das vezes acabam encontrando uma brecha para passar entre os carros e fugir do inferno que é um engarrafamento. Já para quem vai de ônibus a coisa é bem pior, quase impossível. 

Ando pensando seriamente em transformar a bicicleta no meu principal meio de transporte. Acho que seria até mais agradável. Mas pensando bem, com a violência desenfreada em Salvador ganhando destaque pelo mundo a fora em sites internacionais, definitivamente não é uma boa ideia. Se andar pelas ruas da cidade está se tornando cada vez mais arriscado, imagina pedalar...

Vou continuar fazendo as minhas rotas de carro ou à bordo de um ônibus. Para amenizar a situação vou fazer uma boa playlist e gastar um pouco mais com a gasolina para usar e abusar do ar condicionado. Quando nem isso conseguir mais amenizar o problema eu espero já ter comprado o meu jatinho!

Corta!